1.10.17

BRAZ DE PINA: O HOMEM E O BAIRRO


Braz de Pina foi um empresário português, contratador de pesca de baleia e senhor de engenho do Brasil colonial (século XVIII), ativo na Capitania do Rio de Janeiro, como informa a Wikipedia. Seu negócio de pesca de baleia ficava sediado no “Caes de Braz de Pina”, na praia de mesmo nome, depois chamada de Praia dos Mineiros, no local da atual Rua Visconde de Itaboraí, que vai do Arsenal da Marinha à Av. Presidente Vargas, no Centro do Rio. 

Praia dos Mineiros (seta), detalhe de um mapa de 1831 obtido na Biblioteca Nacional Digital 

Braz também fundou em 1740 “seis legoas ao norte de Cabo Frio, e perto do Cabo dos Busios uma “povoação com o nome de Armação” “onde formou um outro estabelecimento para o fim que tractamos” (Almanak Historico de Lembranças Brasileiras, 1863). Trata-se da Armação dos Búzios, ou simplesmente Búzios, que ganhou fama internacional graças à atriz francesa Brigitte Bardot. A Wikipedia define uma “armação baleeira” como “uma instalação litorânea estruturada para a pesca ou caça às baleias e o processamento dos seus produtos [azeite de baleia]”. Ou seja, existe uma ligação entre o subúrbio de Brás de Pina (que é como se escreve na ortografia atual), o Centro carioca e a famosa Búzios.

Na primeira metade do século XVIII os grandes engenhos e fazendas da então Zona Rural da cidade (mais tarde, subúrbios e hoje bairros da Zona Norte) já começam a ser desmembrados, como mostram alguns anúncios de vendas de sítios na imprensa da época. Por exemplo:

Anúncio do Diário do Rio de Janeiro de 12 de novembro de 1824:



Anúncios nesse mesmo jornal em 7 de abril de 1837:



Nas últimas décadas do século XIX esse processo de desmembramento avançara significativamente, de modo que o que antes eram grandes engenhos e fazendas, como de Vigário Geral, Cordovil, Braz de Pina, já haviam sido loteados e eram cultivados por pequenos lavradores, a maioria de origem portuguesa, suprindo de legumes e frutas os nossos mercados, como informa artigo intitulado “A propósito de abolição” na Gazeta Suburbana de 15 de dezembro de 1884. Diz o artigo (adaptado à ortografia atualmente vigente):

Gazeta Suburbana

Próximas do grande centro consumidor, como é a capital do Império [Rio de Janeiro], cortadas quase todas pela E. F. D. Pedro II, e as de Inhaúma e Irajá por esta e a Estrada do Rio do Ouro [atual Linha 2 do metrô], tendo ainda ao litoral portos de embarque marítimo a uma hora mais ou menos de distância da capital [essas fazendas] podem e devem assumir papel importante na pequena lavoura; porque para elas a grande já não existe e a pouca que há é para vergonha própria.

E se não fora a iniciativa particular de grande número de cidadãos portugueses que ali exercem a pequena lavoura com admirável proveito, estimulando o nacional a envergonhar-se da vadiação, porque não foi acostumado ao trabalho como o escravo – talvez que o nosso mercado estivesse deserto dos legumes e frutas que lá encontramos.

É, pois, com essa colonização espontânea e com os braços nacionais desaproveitados, que devemos prosseguir e progredir no Município Neutro [depois Distrito Federal, depois Estado da Guanabara].

Para justificar esse acerto basta nomearmos as fazendas do Vigário Geral, Cordovil, Brás de Pina, Frutuoso e muitas outras em Irajá, decaídas há muito da grande lavoura e hoje alevantadas pela pequena, por essa gente que tem vindo em busca do pão por meio do trabalho honesto e inteligente, sem nos custar um só real o seu transporte a esta terra!

Braz de Pinna (seta) em mapa da década de 1870. Observe as ilhas que depois se juntaram para formar o Fundão e os portos que faziam a ligação aquática com a cidade.

Nessa mesma época a imprensa já registra a ação de “desordeiros, vagabundos e ratoneiros” pela “estrada do Braz de Pina” carecendo de “severa punição”, como mostra esta nota da Gazeta de Notícias de 13 de maio de 1885:


Em 1928 a Companhia Immobiliaria KOSMOS, fundada e dirigida por Oscar Sant’Anna, lançou grandes loteamentos que resultariam na urbanização de áreas que então constituíam arrabaldes (fora da zona urbana propriamente, ocupados por chácaras) como a Tijuca, ou Zona Rural. Entre esses loteamentos estavam a VILLA FLORENÇA (que deu origem ao bairro de Vila Cosmos), VILLA IGARATÁ (que deu origem ao bairro de Cosmos) e a VILLA GUANABARA, que originou o bairro de Brás de Pina). Aqui está um anúncio publicado em O Jornal em 16 de junho de 1928:


No domingo, 24 de novembro de 1929, foi inaugurada a Igreja de Santa Cecília (foto no alto da postagem) em terreno doado pela Companhia Kosmos, como informa o Diário Carioca de 21 de novembro [ortografia da época]:

No próximo domingo será inaugurada, festivamente, a matriz de Santa Cecília de Braz de Pinna.

O novo templo, que se ergue com as suas harmoniosas linhas architectonicas no pittoresco outeiro ao lado da estação de Braz de Pinna, dos suburbios da Leopoldina, foi construído pela Companhia Immobiliaria Kosmos, que o doou com amplo terreno á exma. Mitra Archiepiscopal do Rio de Janeiro.


Santa Cecília, padroeira da música e dos músicos

Altar da Igreja de Santa Cecília

Um dos quadros dos passos da Paixão, com legenda em francês: Jésus dépouillé de ses vêtements, Jesus despojado de suas vestes. Em e-mail ao editor deste blog, Alexei Bueno informa: "Se as legendas estão em francês, os vitrais vieram de lá, a França - com todo o laicismo e o anticlericalismo hidrófobo - tinha uma gigantesca indústria de objetos sacros - imagens, vitrais, etc. - desde meados do século XIX, e os exportava para todo o mundo católico. Muita imagem barroca nossa foi sordidamente trocada pelas francesas de gesso, feitas em linha de montagem! Já em relação às pinturas a coisa é mais estranha, o pintor também devia ser francês."

O jornal católico A Cruz, ao visitar o local da construção da igreja, assim descreveu a vista do alto do outeiro:

O local destinado a essa construcção offerece aos olhos um magnífico panorama. De lá se avistam a serra dos Órgãos, a ilha do Governador, o penhasco onde se ergue a igreja de Nossa Senhora da Penha, o píncaro do Corcovado, o   Cáes do Porto, etc.

O templo de Santa Cecília destacar-se-á, portanto, como mais uma joia artística embellezando a nossa cidade. [3/3/29]


Vista da lateral direita da igreja, em direção a Cordovil 

Vista dos fundos da igreja, na direção da Ilha do Governador 

Vista da frente da igreja para a parte alta de Brás de Pina

Essa igreja, com sua torre pontuda, é única no Rio em seu estilo de igrejinha de cidadezinha da Europa Central. Eis uma foto da igreja de Santa Cecília de Brás de Pina (esquerda) ao lado de outra dedicada à mesma santa da cidade alemã de Dauchingen (direita, foto obtida na Internet):


Em junho de 1930 a Companhia Kosmos convidou 70 representantes da imprensa para uma visita à Villa Guanabara. O jornal A Noite de 2/7 assim descreveu o loteamento:


Faça o leitor uma idéa do que é a Villa Guanabara idealisando um esplendido bairro saneado, com os seus serviços de luz e de esgotos, ruas admiravelmente projectadas, egreja, campo de tennis, canaes, avenidas e jardins, Accrescente a tudo isto as condições admiráveis do clima, que é ameno e suave, offerecendo por isso, aos que se installam na villa, elementos de tranquilidade e bem estar. E terá então uma impressão exacta do magnífico bairro que a audacia emprehendedora de Oscar Sant’Anna e mais alguns outros brasileiros decididos resolveram fundar nas terras claras e saudáveis de Braz de Pinna.


Planta do loteamento

Se você examinar o mapa do bairro observará que corresponde exatamente ao traçado da planta do loteamento original

A revista O Cruzeiro de 5 de junho de 1930 também menciona a  visita proporcionada à imprensa “á formosa Villa Jardim que, com o nome de Villa Guanabara, se levanta em Braz de Pinna”, descrevendo-a nestes termos:

É uma cidade moderna, obedecendo a todos os requisitos da hygiene, do conforto e da arte, com campo de sport, squares e avenidas arborisadas, e onde as edificações obedecem já uniformemente a uma concepção architectonica primorosa.

As fotos publicadas na revista confirmavam essa impressão. Aqui estão, com legendas da própria revista:


O ponto mais elevado da Vila Guanabara, onde foi servido um coquetel à imprensa

Aspecto da Rua IV

Entroncamento de três ruas na parte montanhosa da Vila Guanabara

Num de seus suplementos ilustrados de 1935 o jornal A Noite, em matéria intitulada "Um novo bairro cheio de encantos", descreveu a "villa" como
“o mais lindo suburbio da Leopoldina, servida por 60 trens diários, e a 27 minutos do centro. [...]



Já dispõe de todos os recursos e o seu progresso é incessante, estando sendo asphaltadas as suas ruas, providas de galerias pluviaes, arborisação, canalização d'água, luz, telephone, etc.

Há na Villa oito parques de eucalyptos, que lhe purificam o ar, evitam os insectos e a embellezam singularmente.

Essa originalidade é exclusiva da VILLA GUANABARA e não se vê em nenhum outro bairro do Rio de Janeiro.

Vamos ver agora o que o editor do blog, adepto da "arte de flanar", encontrou em andanças recentes pelo bairro:


O casarão normando perto da estação hoje, dilapidado.

"Uma das lindas residências da Vila Guanabara." Casarão normando em foto de A Noite Ilustrada de 1935

Escritório da Companhia Kosmos em foto publicada na revista Vida Doméstica em agosto de 1930

Estado atual do antigo escritório

Curiosidade: prédio em Santa Teresa com desenho semelhante ao da sede da Kosmos, deve ter sido projetado pelo mesmo arquiteto!

Igrejinha de Santa Cecília vista (com auxílio do zoom) do alto da escadaria da Rua Orica

Igrejinha da Penha vista (com auxílio do zoom) do alto da escadaria da Rua Orica

Casas verdes
Coqueiro em tranquila rua de subúrbio (Rua Guacira)

Contraste: o prédio e as casas

Casa em estilo Missões

Vista da Rua Orica com Favela do Quitungo atrás

Manhã de primavera ensolarada

A casinha na encosta e a favela atrás

Casinha antiga na Rua Orica

Vista da esquina da Rua Orica com Idume

Casas vistas do alto da Rua Jaboti

A pedra da Rua Jaboti

3 comentários:

Roger de Sena disse...

Linda e muito informativa postagem, grande Ivo!
Mais um "tiro certeiro" do melhor blog sobre o Rio!
Abração.

Celeste Hug. disse...

Parabéns!!! Todos os bairros do rio merecem atenção, em especial a nossa querida Zona Norte!!!

Márcia Amaral disse...

Amei, moro aqui desde que nasci, o bairro tem muitos problemas, mas possui seus encantos.