3.11.16

POR QUE VOTEI EM MARCELO CRIVELLA


Sou uma pessoa tolerante. Tenho amigos em todo o espectro ideológico. Tenho amigos de esquerda, alguns brilhantes, que adoro e que admiro. Mas (que meus amigos não fiquem chateados com esta minha confissão) a esquerda tem um “defeitinho”. Não é tolerante como eu. Para os esquerdistas, um governo, uma administração que não seja de esquerda é o “fim do mundo”, um retrocesso, um horror. Para ela a “não esquerda” padece de uma espécie de pecado original, irredimível. Quem vota num candidato que não seja da lista deles comete quase que um crime ideológico. Falta-lhes o "espírito democrático".

Não tenho nada a favor do Crivella. Meu voto nele foi um voto útil. Votei contra o Freixo. Não tenho nada contra ele, pessoalmente. Tenho contra o partido. Ele está no partido errado. Um partido virulentamente anti-Israel. O ditador da Síria com apoio da Rússia bombardeia populações civis e o PSOL não fala nada. A Arábia Saudita bombardeia civis no Iêmen e idem. Mas se Israel cometer algum deslize... sai de baixo! A grita dos partidos e intelectuais de esquerda (e aí se inclui o PSOL) é ensurdecedora. Já aconteceu no passado.

Desconfio que o PSOL, se ganhasse a Prefeitura, faria o que o PT fez no nível federal: arrumaria “boquinhas”, cargos comissionados, para toda a companheirada. Distribuiria dinheiro público a rodo aos artistas e intelectuais que apoiam sua ideologia. Não continuaria apoiando os black blocs como fez no passado porque agora estaria no poder e não interessa. Tampouco continuaria apoiando greves intermináveis de professores, sequestrando o futuro das crianças pobres (porque as ricas estudam em escola particular), pelo mesmo motivo. Mas se Freixo faria realmente ou deixaria de fazer essas coisas nunca saberemos... porque ele perdeu.

O que saberemos é se Crivella fará aquilo que o PSOL afirmou que faria: convidar o nefasto Garotinho (esconjura!) para seu secretariado e governar visando o projeto de poder evangélico. Tomara que não. O Paes fez um grande governo de grandes empreendimentos: VLT, BRT, Parque de Madureira (numa região carente de áreas de lazer), o Porto Maravilha. Crivella diz que vai cuidar das pessoas: da saúde, da educação, da segurança. O Eclesiastes ensina que existe um tempo para tudo. Tempo de grandes obras, tempo de cuidar das pessoas. Não morro de amores por Crivella, mas tomara que o governo dele dê certo. Para o bem de nós que adoramos o Rio.

Nenhum comentário: