20.3.18

ORATÓRIO DO MORRO DA PROVIDÊNCIA

PARTE I: O MAPA, AS FOTOS E UM VÍDEO


O agora conhecido como "Oratório do Morro da Providência" com barracos em torno

O Oratório de perto

Altar dentro do Oratório

A porta

Dona Chiquinha (Francisca), a guardiã do Oratório (ver vídeo ao final)

Frente do Oratório. A inscrição "A JESUS CHRISTO" e a cruz no topo se perderam


PARTE II: OS MITOS

O Oratório do Morro da Providência e o próprio morro estão envoltos em mitos. São eles:

1)
lenda urbana de que o oratório foi erguido pelos soldados retornados de Canudos em memória das almas dos colegas que tombaram no conflito. Daí também ser conhecido como Capela das Almas. Na cartilha do teleférico lemos que 
a capela foi erguida em homenagem aos combatentes que não resistiram à Guerra de Canudos, na Bahia. Não é verdade.

2) O mito de que os soldados retornados de Canudos iniciaram a ocupação do Morro, antes desabitado. Tampouco é verdade.


3)  A mentira deslavada de que o morro recebeu esse nome porque os soldados, ante o descumprimento da promessa de receberem residências como prêmio pela vitória, tomaram a providência de ocupar o morro (mentira essa que constava do verbete "Morro da Providência" da Wikipedia antes que o editor deste blog o corrigisse).


O então conhecido como "Santuário do Cristo Redentor" em fotografia do início do século XX de Augusto Malta. Foto obtida na Biblioteca Nacional Digital

PARTE III: OS FATOS

1) Quando fotografado por Augusto Malta no início do século XX (foto acima), o “Oratório do Morro da Providência” — situado na na parte sudoeste do morro |(ver mapa acima), tombado pela Prefeitura em 1986 e também conhecido por “Capela das Almas”  denominava-se Santuário do Cristo Redentor e em seu frontispício lia-se A JESUS CHRISTO (a inscrição e a cruz superior se perderam). Depois da construção da estátua do Cristo no alto do Corcovado, o santuário ao pé dessa estátua recebeu esse mesmo nome. Uma placa no interior do Oratório indica que foi construído em 1900-1901. 


Placa no interior sugere que o Oratório tenha sido construído em 1900-01

O Oratório foi inaugurado no dia 1 de janeiro de 1901, o primeiro dia do século XX (uma explicação: assim como o século I foi do ano 1 ao 100, o século XIX foi de 1801 a 1900, o século XX começando em 1901; a comemoração do início do século XXI em 2000 foi um grande equívoco). Foi erguido com o objetivo explícito de comemorar a passagem do século, como mostram a foto abaixo da Revista da Semana de 6 de janeiro de 1901 e as notícias na imprensa da época.



Por exemplo, na pág. 2 da edição de 15 de dezembro de 1900 do semanário católico O Apóstolo, lemos (texto adaptado à ortografia atual): "Está quase concluído o monumento, a grandiosa Cruz que no Morro da Providência será erigida para comemorar a passagem do século e o amor deste povo a Jesus Cristo Redentor. Será bento e inaugurado a 31 do corrente pelo Ex. Rvm. Sr. Arcebispo. Nossos louvores a seus promotores." Já na pág. 2 da edição de 22 de dezembro do mesmo ano lemos: "A inauguração da Cruz, que como monumento em honra a Jesus Cristo se erguerá no Morro da Providência, se realizará no dia 1 de Janeiro, às 5 horas da tarde, sendo benta pelo Ex. Sr. Arcebispo D. Joaquim Arcoverde." Portanto, sobre a data da construção do Oratório não paira dúvida.

Vejamos outros registros na imprensa sobre a inauguração do monumento.

Gazeta de Notícias de 24 de dezembro de 1900:



Jornal do Brasil de 28 de dezembro de 1900:



O Paiz de 30 de dezembro de 1900:



Estas notícias derrubam o mito de que o Oratório teria sido erigido em homenagem aos soldados tombados em Canudos. Na verdade, homenageou a mudança do século e a devoção a Jesus Cristo.

2) Outro mito que costumamos ouvir é que a ocupação do morro começou pelos soldados retornados de Canudos (1897). O mito cai por terra quando lemos em jornais e outras publicações anteriores menções a moradores e casas do Morro da Providência. Já existiam moradores lá havia tempos. Segundo Milton Teixeira, desde a época colonial. 

O que os soldados criaram foi a favela. Aliás, os soldados mudaram o nome para Morro da Favela em alusão a um morro existente em Canudos, que aliás tinha esse nome devido a um arbusto, denominado "favela" ou "faveleiro", existente na região, como vemos em Os Sertões (ver Anexos ao final da postagem). Mais tarde o morro retomaria o nome original.

Na imprensa do século XIX encontramos fartas indicações de que o morro já era habitado bem antes da chegada dos soldados de Canudos e de que a denominação "Morro da Providência" é bem anterior à chegada desses soldados, derrubando assim também o terceiro mito. 

► Diário do Rio de Janeiro de 30 de agosto de 1838 menciona a cobrança da décima urbana (espécie de IPTU) aos proprietários e inquilinos em vários logradouros, entre eles o Morro da Providência:



► O Diário do Rio de Janeiro de 2 de abril de 1846 publicou esta nota:

Não se sabendo actualmente a residencia do Sr Antonio Luiz Machado que morou no morro da Providencia n 21 A, roga-se lhe que a declare porque uma pessoa lhe deseja fallar para negocio commum.

► No Correio Mercantil de 30 de abril de 1848 encontramos esse retrato nada lisonjeiro do morro:

Tendo-se virado a atenção publica para o museu da rua da Providencia, ninguem se lembra de olhar para o morro da Providencia, ou antes da formiga [nome que tinha na época a vertente sul do morro], porque ali não há providencia de qualidade alguma, nem mesmo de luz, porque a illuminação é coisa que inda lá não chegou, patrulhas até ignorão a existência do morro, pedestres inda menos; entretanto em relação á pouca extensão já ha muito povoado, e os mal feitores e facinorosos tem ali um excellente asylo para se livrarem das pesquisas da polícia.

► Na primeira página do Correio Mercantil de 21 de junho de 1856 lemos esta queixa:

Pedem-nos que chamemos a attenção da autoridade para a falta de asseio que ha na rua do Silva Manoel [atual André Cavalcanti] e para o morro da Providencia, onde mora muita gente, e onde não ha nem illuminação, nem agua, nem asseio, nem policia.

► Em 19 de julho do ano seguinte o Correio Mercantil noticia a chegada da iluminação pública no Morro: O morro da Providencia não tinha lampeões, e pelo desvelo das autoridades competentes forão ultimamente alli postos para conforto e segurança de seus moradores.

► Em 20 de março de 1860 esse mesmo jornal informa que "o morro da Providencia continua, em maior escala do que dantes, a servir de deposito de immundicias".
► O Boletim do Ministério do Império de maio de 1861 cita um ofício ao inspetor geral das obras públicas solicitando um “parecer sobre a necessidade de abastecer de água potável o morro da Providência; propondo ao mesmo tempo os meios convenientes para levar-se a efeito semelhante medida”.

► O Boletim da Câmara Municipal da Corte de 1863 cita à pág. 10 um requerimento para a construção de uma escada da rua do Sacco [Rua do Saco do Alferes, atual Rua da América] ao Morro da Providência:

O Sr. Dr. Monteiro dos Santos apresentou os seguintes pareceres:

"Sobre a informação do engenheiro ácerca do requerimento de alguns moradores e proprietarios do Morro da Providencia, pedindo permissão para fazerem gratuitamente no dito morro uma escada ou rampa para á rua do Sacco, sendo a obra inspeccionada pela directoria das obras municipaes: conformo-me com informação do engenheiro. Rio, 15 de maio de 1863. – Dr. Monteiro dos Santos."
– Foi approvado.

► Notícia publicada na primeira página do Jornal do Brasil de terça-feira, 5 de setembro de 1873:

BAILE A’ NAVALHA

Francisco Miguel do Nascimento dansava hontem alegremente num baile, no morro da Providencia.

Como nessas occasiões o sangue se esquenta e “o sangue é que faz mal ao corpo” o cunhado de Nascimento, de nome Josué José Gomes agrediu-o, dando-lhe tres navalhadas.

E o pobre homem passou do baile para a Misericordia.

► Também em O Paiz encontramos indícios de ocupação pré-Canudos, por exemplo, na edição de 12 de setembro de 1885, na seção ANNUNCIOS, consta: "ALUGA-SE a casa do Morro da Providencia n. 23: está limpa; para tratar na rua do General Camara n. 365." E na pág. 2 da edição de 22 de novembro de 1885 lemos: "Juvencia Maria Rosa da Conceição, moradora em um casebre no morro da Providencia, estando ante-ontem, ás 5 horas da tarde, junto ao fogão, fazendo o jantar, foi presa pelas chammas, resultando ficar bastante queimada." E na edição de 22 de abril de 1886 de O Paiz, lemos:

O governo imperial, que tão solicito se tem mostrado em favorecer a construcção de casas e alojamentos para as classes operarias, concedendo ás emprezas que a isso se propõem os favores marcados em lei, não póde deixar de attender á reclamação que lhe fazem por este meio os moradores do morro da Providencia.

Reside neste logar grande numero de operarios e pessoas que trabalham por soldadas, não só pelo menor aluguel que ali pagam, como pela elevação do solo, que lhes dá presumpção de salubridade, mais do que lhes promettem os bairros baixos da cidade. Essas condições, infelizmente, são destruidas pela má distribuição da agua.

Estas notas & notícias da imprensa daquela época mostram que o morro já era habitado antes da vinda dos soldados de Canudos no final do séc. XIX. 

3) O terceiro mito, de que o nome do morro se deve à providência tomada pelos soldados, as notícias da imprensa que acabamos de ver o desmentem. A menção mais antiga que achei ao Morro da Providência é a de 1938 supracitada. A análise de mapas antigos mostra que, até meados do século XIX, o que viria a ser o Morro da Providência era mostrado como fazendo parte do Morro do Livramento. Geograficamente falando, a Providência não é um morro separado, e sim um "cocoruto" no lado sudoeste do Livramento, tanto é que a Ladeira do Barroso que sobe o Morro do Livramento depois prossegue, por uma escadaria, Morro da Providência acima. Para ver um mapa de 1831 onde só existe o Morro do Livramento clique aqui. Para um mapa de 1858 onde já aparece o Morro da Providência clique aqui.

PARTE IV: O MISTÉRIO

A foto da Estação Marítima, de 1881, abaixo dá a impressão de que o Oratório já existia naquela época. Encontra-se na pág. 30 de Vistas Photographicas da Estrada de Ferro D. Pedro 2 que você pode consultar clicando aqui. A impressão é tão forte que no Inventário de 2015 dos Monumentos do Rio de Janeiro publicado pela Prefeitura lemos que o oratório "já aparece tal qual numa fotografia de 1881, dezesseis anos antes daquela guerra fratricida [Guerra dos Canudos]." Só que vimos farta documentação comprovatória de que o oratório foi inaugurado na virada para o século XX. Como é possível um oratório construído em 1900 constar de uma foto de 1881?

Oratório visto atualmente da Gamboa

Foto da Estação Marítima, de 1881, dando a impressão de que o Oratório já existia naquela época 

Detalhe ampliado da foto anterior. O formato não é exatamente o mesmo do posterior Oratório: as janelas não são ogivais, falta a cúpula e a cruz.

Aumentando ainda mais o mistério, duas gravuras antigas, uma de Martinet de 1847 e a outra de Sisson de data desconhecida aparentemente também mostram o oratório!!!


Gravura de Alfred Martinet de 1847 obtida na Biblioteca Nacional Digital


Gravura intitulada "Cemeterio Inglez na Gamboa" do Álbum do Rio de Janeiro (sem data) de Sebastien Auguste Sisson, artista francês que chegou no Rio de Janeiro em 1852

O historiador amador G. J. Sá Barros tem uma teoria interessante para tentar dirimir esse mistério. Depois que o corsário francês Duguay-Trouin, comandando uma poderosa esquadra, aproveitando a névoa em 12 de setembro de 1711, penetrou na Baía da Guanabara, sem ser interceptado pelas duas fortalezas guarnecendo os dois lados da entrada da barra (Santa Cruz e São João, existentes até hoje), tratou de tomar de assalto a Ilha das Cobras (13/9) e depois desembarcou na Praia de São Diogo, aos pés do morro de mesmo nome, onde fica hoje o Viaduto dos Marinheiros, ocupando os morros da atual Zona Portuária. Neste detalhe de um mapa francês de 1711 sobre a captura do Rio de Janeiro (Prise de Rio-Janeyro que você pode acessar aqui) vemos que o primeiro acampamento (Premier Campement) dos invasores foi nos morros de São Diogo, do Pinto (na época chamado de Morro de Paulo Caieiro, ou Cairô/Cairu), e o Morro do Livramento/Providência. O segundo acampamento (Second Camp) foi no Morro da Conceição.



A tese de G. J. Sá Barros é que o oratório erguido em 1900 mas que misteriosamente "já aparece em fotografias e gravuras anteriores" na verdade não foi construído do nada, mas aproveitou uma velha atalaia abandonada, remanescente dessa ocupação francesa dos morros ou construída logo depois na onda de fortificação da cidade em que se tentou "correr atrás do prejuízo" (da qual resultou a Fortaleza da Conceição). Diz Sá Barros: "IMAGINA aquele morro da Providência que é uma pedra inteira, ardendo no sol de primavera de um Rio de Janeiro com 40 graus? Ficaram dois meses os franceses aqui? Ali vigiando tudo sem um telhado no alto do morro ardente expostos ao sol (insolação) e pegando vento e chuvas? Ali surgiu uma atalaia?" O detalhe de um mapa de 1850 abaixo mostra o local da atalaia, futuro oratório, marcado com um quadradinho (sob a seta no meio do mapa).



PARTE V: APÊNDICES

► TRECHO DE Brasil Gerson, História das ruas do Rio, quinta edição, p. 183

Ao regressarem das expedições contra Antônio Conselheiro, no fim do século passado [XIX], receberam os soldados do Coronel Moreira Cesar e do General Artur Oscar, alguns recursos para instalar-se em casa própria no Rio, e foi ali, nas abas da Providência, que eles o fizeram, e logo disseram que ela era a sua “favela” carioca, numa alusão ao morro do sertão baiano de onde a artilharia legalista bombardeava o reduto daqueles jagunços místicos... E o nome, popularizando-se, ficou sendo também dos nossos demais conglomerados humanos semelhantes para, afinal, figurar depois no dicionário como um novo brasileirismo, bem típico dos tempos modernos, nas nossas atravancadas metrópoles.

► TRECHOS DE Euclides da CunhaOs Sertões, Editora Nova Cultural, págs. 23-4, 31, 37

Todas traçam, afinal, elíptica curva fechada ao sul por um morro, o da Favela, em torno de larga planura ondeante onde se erigia o arraial de Canudos[.]

Galgava o topo da Favela. Volvia em volta o olhar, para abranger de um lance o conjunto da terra.

Do topo da Favela, se a prumo dardejava o Sol e a atmosfera estagnada imobilizava a natureza em torno, atentando-se para os descampados, ao longe, não se distinguia o solo.

As favelas, anônimas ainda na ciência — ignoradas dos sábios, conhecidas demais pelos tabaréus — talvez um futuro gênero cauterium das leguminosas, têm, nas folhas de células alongadas em vilosidades, notáveis aprestos de condensação, absorção e defesa.

► E para terminar, uns versinhos engraçadinhos que pesquei no Jornal do Povo de 24 de novembro de 1879:

Fui á cata do Bandarra
No morro da Providencia
Para intervir na pendencia
Entre a formiga e a cigarra;
Que eu nunca toquei guitarra
Nos harens de Salatino;
E o cervejeiro Gambrino
Nunca indagou minha sorte
Se eu sou do sul ou do norte
Se Facundes ou Galdino.

11 comentários:

Raul Félix de Souza disse...

Excelente artigo. Deixa-nos o desafio de descobrir qual a real história do oratório. Parabéns. (publicado no Facebook e inserido aqui pelo editor do blog)

Teócrito Abritta disse...

Parabéns pela divulgação deste trabalho. Eu tenho também descoberto fatos incríveis através de fotografias históricas. Sempre que viajo pelo interior do Brasil eu levo equipamentos para copiar fotos antigas e mesa de luz pera fotografar velhos negativos. (publicado no Facebook e inserido aqui pelo editor do blog)

Garcia disse...

Excelente observação!!! Como já mencionou no outro comentário o Sr. Raul, deixa-nos com o desafio da pesquisa e da descoberta da verdadeira história. Parabéns!!!
<10/05/2015> Mª da Conceição o. M. Garcia

Charles Lewis Stone disse...

Passo sempre de trem próximo ao Morro da Providência e vejo o oratório lá no alto do morro.

Unknown disse...

À quem diga que antes de ser oratório era o redutos dos escravos. Informação ainda não confirmada, pois também existe argumento de que quando o navio dos holandeses encalhou ou atracou a uma pedra os escravos fugiram e se refugiavam no morro. Obs: história não confirmada.

Rodrigues disse...

À quem diga que antes de ser oratório era o redutos dos escravos. Informação ainda não confirmada, pois também existe argumento de que quando o navio dos holandeses encalhou ou atracou a uma pedra os escravos fugiram e se refugiavam no morro. Obs: história não confirmada.

Antonio Natario disse...

Meus parabéns pelo Blog. Muito bom!
Queria deixar apenas uma observação, já que a qualidade, excelente, do Blog, a merece.
Vendo um documentário " Pequena África" (morro da Favela, hoje Providência), foi mostrada uma gravura retratando a paisagem do local, onde aparecia a igreja de N Sra. da Penha, e não existia ainda o Oratório, datada de 1835. Em seguida foi mostrada uma foto do local, datada de 1855, em que na paisagem, no local mais alto do morro,(não sendo o foco principal da foto), já aparecia o Oratório, definindo a sua construção, entre 1835 e 1855.
-Foi uma honra colaborar!

Antonio Natário Fernandes

Eduardo P.Moreira ("Dado") disse...

Excelente matéria, parabéns !
Eu sempre tive curiosidade sobre essa construção, nem sabia se ainda existia.
Show de bola ! (comentário enviado por e-mail)

Alexei Bueno disse...

Monumental pesquisa, Ivo. A edícula que aparece na foto de 1881 é indubitavelmente o oratório, é evidente, mesmo que tenha sofrido alterações posteriores. Nas duas gravuras do Cemitério dos Ingleses o que se vê é uma casinha, com três janelas, coisa totalmente diversa – e que vista devia ter! Sempre que vejo essas imagens do Cemitério dos Ingleses fico triste com a total desaparição daquele vasto e magnífico solar que vemos à direita. Os retornados de Canudos, de fato, não ocuparam um morro vazio, mas instituíram – pelo menos no nome – a favela, essa romantizada e lamentável desgraceira, filha da total ausência de políticas para moradias populares, que deu na merda que deu, como era de se imaginar... (comentário enviado por e-mail)

Tenda da Memória Itaboraí disse...

Muito interessante toda essa prospecção documental. Seria um convite à prospecção arqueológica também, uma vez que seria possível constatar a relação do oratório com a atalaia pré-existente. Parabéns pelo excelente trabalho.

joaodoapex disse...

Show, vou ver se consigo ir lá amanhã !